Pular para o conteúdo principal

22 - Bateria

Vamos abordar agora a teoria musical aplicada à bateria.




Por não ser um instrumento de som definido, (a bateria não toca notas musicais como do,re,mi...) há uma particularidade em sua escrita na pauta.

Na escrita da partitura para bateria, nas posições da pauta onde antes eram lidas notas musicas, agora serão lidos os tambores e pratos.

Calma! Eu vou explicar.
A figura acima é o exemplo de uma melodia escrita para um instrumento qualquer.
DO, SI, RE, FA, LA, MI, SOL, DO.

Agora observe como os tambores e pratos da bateria podem ser escritos na pauta;

Ao invés das notas lemos tambores e pratos.

Repare que a clave usada para designar a escrita para Bateria também é diferente.
Embora exista muito material didático voltado para Bateria escrito na clave de fá, é bom que se saiba que esta é a clave usada para inormar ao músico que a pauta esta escrita para bateria, ou ainda algum instrumento de percussão que não toque notas como DO<>
  • Procure dominar leitura (divisão rítmica) e fluência em ler os tambores na partitura.( Isso é que vai possibilitar que seus estudos usando métodos ecritos sejam mais proveitosos)

    • Não se atenha somente à partitura para estudar Bateria. Procure repetir os ritmos e as viradas que você ouve em seu estilo de música preferido, identificando exatamente em que tambor ou prato o baterista está tocando. Procure perceber e reproduzir o que ele faz. (Toque de ouvido)

    • Sempre que possível, estude usando metrônomo. Este é seu fiel amigo. Ajudará a evitar flutuações no andamento e te dar segurança para não atravessar na música, principalmente quando for executar viradas ou solos, sejam eles simples ou mais complexos.

    • Não seja um mero colecionador de métodos. Aprenda a examinar seu material e a extrair aquilo que realmente lhe fará evoluir.

    • Quando estiver tocando, preste atenção ao som que você está extraindo do seu instrumento. Toque seus tambores ou pratos no lugar exato onde eles te dão o melhor som. Seja auto crítico.(sem excessos)

    • Esteja atento a intensidade (força) com que você toca. Lembre-se que potência sem controle não é nada. Se você conseguir adquirir velocidade e precisão, controlando a dinâmica, você está no caminho certo.

    • Lembre-se sempre que as músicas tem na maioria dos casos, introdução, parte a,b, às vezes c, d, além do refrão. Saiba se colocar na música. Não saia fazendo viradas e solos indiscriminadamente. Aprenda a sustentar ritmo, respeite a proposta da música. Muitos bateristas sequer percebem as nuances nas músicas.
    • Não perca seu tempo apenas admirando bateristas famosos. Saiba que tudo o que eles fazem é fruto de muito estudo e condicionamento. Assista, pesquise, vá a workshops, mas procure reter aquilo que lhe for proveitoso e vá a luta. Não se compare a eles agora. Avalie-se a si mesmo. Sua evolução em relação a um momento aterior seu. Quando se der conta, você estará no nível dos profissionais. Basta focar nos estudos.

    Além desses conselhos, o que julgo mais importante é que você que quer realmente se envolver no universo da música, tire proveito disso para melhorar sua qualidade de vida.

    Hoje existem universidades que possuem bandas de música e que oferecem bolsas de estudos, às vezes integrais, aos músicos, dando-lhes a oportunidade de se formar e crescer profissionalmente.

    Além disso, todos os anos são abertos concursos públicos oferecendo vagas para músicos dos mais diversos instrumentos. Seja nas forças armadas, guardas municipais, polícias militares, teatros municipais, enfim, o que não faltam são oportunidades para musicos realmente dedicados.

    Tenha sempre um foco e mantenha-se perseverante.





    Postagens mais visitadas deste blog

    12- Exercícios de solfejo

    Olá! Neste capítulo, são apresentadas 9 lições de solfejo.

    O objetivo é proporcionar a você a oportunidade de poder por em prática algo do que pode aprender sobre música atá agora, seja neste blog ou em outras fontes de consulta. SOLFEJO Consiste em entoar as notas das melodias propostas, respeitando sua altura correta, e sua divisão ritmica. Somente intensificando o contato com a música, é que alcançamos degraus mais altos em nossa evolução musical. Como próxima matéria, serão apresentadas lições de divisão rítmica, o que irá ajudá-lo(a) ainda mais no objetivo de tocar algum instrumento, ou simplesmente de ler bem uma partitura. Abaixo de cada figura, será colocado um link para que se possa baixar o áudio da figura sob a qual o link estiver.

    Vale lembrar que cada link, é próprio de uma figura. Cada figura terá seu arquivo de áudio. Se você achar que as imagens estão pequenas, dificultando seu estudo, basta clicar sobre elas para ampliá-las.

    BONS ESTUDOS! Aprenda como baixar o áudio…

    13-Divisão rítmica (exercício)

    Para que você não tenha dificuldades de entender e executar os exercícios de leitura rítmica aqui propostos, aqui vai uma breve explicação sobre como interpretar as diferentes combinações de figuras de som. Assim como nós, ao aprendermos a ler, juntamos as letras e sílabas, com seus diferentes sons, para formar as palavras; Assim também, na construção do ritmo é preciso juntar as diferentes figuras de som e pausa e respeitar suas durações.
    O que quero dizer com isso é que pra você ter mais fluência na leitura dos ritmos, você precisa tratar figuras de som como se fossem letras, e as combinações dessas figuras como se fossem sílabas, cada uma com seu som.
    Abaixo, estão alguns exemplos de diferentes combinações de figuras de som e sob cada uma delas, um link para você poder baixar o áudio e ouvir a execução de cada (sílaba).

    Aprenda a baixar o áudio.
    Áudio com a execução da semibreve.

    Áudio com a execução da mínima.

    Áudio com a execução da semínima.

    Áudio com a execução das colcheias.

    Áudio co…

    11-Sustenido e Bemol

    O conteúdo já transmitido, nos dá base para tocarmos muitas músicas. Os demais elementos musicais serão passados oportunamente mais adiante. Sustenido e Bemol As notas musicais do, re, mi, fa, sol, la, si, possuem entre elas uma certa distância sonora.

    Não estamos falando do volume de som das notas, mas sim das diferenças de entonação entre os sons delas, umas são agudas, outras médias, outras graves.

    Essa distância sonora determina os diferentes sons que cada uma delas tem. A menor "distância", ou diferença sonora, entre duas notas é a distância padronizada pelo sistema tonal ocidental, conhecida pelo nome de semitom, mas temos a capacidade de ouvir distâncias sonoras menores, como acontece na música indiana, por exemplo.
    No sistema tonal ocidental algumas notas são separadas de outra por intervalo de semitom.
    Já outras notas são separadas por intervalo de tom, que é a junção de dois semitons.

    Exemplo:

    Da nota para a nota existe a distância de um tom. (dois semitons)
    En…